Pecado da IMODÉSTIA - Cruzada Mariana 1° parte.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011



Considere estes três pecados contra o Espírito Santo:

• Resistir às verdades que nos fizeram conhecer.
• Insistência no pecado.

• Obstinação fatal nos próprios pecados.

Um dos Sete Pecados Capitais é a Preguiça: lentidão ou descuido na prática do bem devido às dificuldades existentes na sua realização.

Três Obras de Misericórdia Espiritual são:
• Aconselhar os que têm dúvida.
• Instruir os ignorantes.
• Admoestar os pecadores sempre com caridade.

Das Oito Bem-aventuranças: Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus.


A modéstia cristã é a virtude mais esquecida hoje. Além disso, ela é indispensável para a proteção da castidade. É inútil procurar restaurar a castidade nos indivíduos, nas famílias e na sociedade se a sua salvaguarda, a modéstia, é ignorada e atacada em tão larga escala como nos dias de hoje.


O QUE É A CRUZADA MARIANA?
A Cruzada Mariana é um movimento que tem como finalidade promover a castidade e a modéstia por meio da imitação de Maria, nossa Rainha e Mãe Castíssima, como modelo perfeito de todas as virtudes.


QUEM A CRIOU E QUANDO A ELA SURGIU?
Ela foi iniciada pelo Padre Bernard A. Kunkel (já falecido atualmente), padre da Paróquia Santa Cecília em Bartelso, Illinois, Estados Unidos, na festa da Imaculada Conceição de Maria (8 de dezembro de 1944). Ele recebeu a aprovação do Reverendíssimo Bispo Henry Althoff, Bispo de Belleville, Illinois, o qual também lhe deu sua Benção Episcopal.
O Santo Padre, o Papa Pio XII, conferiu sua Benção Apostólica à Cruzada Marianaem duas ocasiões distintas, em 14 de julho de 1954 e em 11 de maio de 1955, “aos membros, Diretores e Moderadores, às suas famílias e pessoas queridas, e a todos os que favorecem seu louvável movimento pela modéstia nos vestidos e costumes”.


A CRUZADA MARIANA POSSUI ALGUM STATUS OFICIAL NA IGREJA?
Sim. Ela recebeu um status oficial na Diocese de Belleville na época de sua incorporação em setembro de 1955.


PORVENTURA A CRUZADA MARIANA DEFENDE A EDUCAÇÃO SEXUAL PUBLICA COMO UM REMÉDIO?
Certamente que não. Isto foi condenado pelo Papa Pio XI na sua encíclica Educação Cristã da Juventude (31 de dezembro de 1929).
A informação necessária a respeito do aspecto físico do sexo é primeiramente de responsabilidade dos pais; somente de modo secundário e em um grau limitado, dos professores e superiores. Mas sempre com reverência e modéstia. “É da mais alta importância, diz Pio XI, que um bom pai, ao discutir com seu filho um assunto tão delicado, aja com prudência e não desça até os detalhes”.


O QUE SE DEVE PENSAR DA INTRODUÇÃO DE LIVROS IMORAIS E OBSCENOS EM ALGUMAS ESCOLAS CATÓLICAS?
As pessoas que, deliberadamente, colocam livros imorais nas mãos de nossos jovens se tornam responsáveis pela corrupção moral de numerosos leitores ainda em sua juventude. Ai daquele homem que comete escândalo”, nos adverte Jesus (S. Mateus, XVIII, 7).
A Igreja sempre sustentou que ler uma literatura imoral é pecado mortal. O Código Canônico proíbe tais leituras. Os Papas e os Concílios condenaram isso de modo consistente. Lembraremos somente duas dessas condenações, e muito brevemente:

CONCÍLIO DE TRENTO: “Os livros que tratam de, narram ou ensinam coisas lascivas e obscenas são absolutamente proibidos... Aqueles que os possuem devem ser severamente punidos pelos seus Bispos”.

SANTO OFÍCIO: “Não se permitam tais justificativas… (Aqui tais desculpas, levantadas pelos educadores liberais, são citadas e condenadas). Pessoas que sem a devida permissão lêem um livro que é indubitavelmente lascivo cometem um pecado mortal” (3 de maio de 1927).


POR QUE CASTIDADE E MODÉSTIA SÃO REPETIDAMENTE UNIDAS? POR ACASO SIGNIFICAM A MESMA COISA?
Castidade significa controle do instinto sexual, ou fazer com que o apetite sexual esteja de acordo com os sexto e nono mandamentos: Não cometerás adultério; Não cobiçaras a mulher de teu próximo. Modéstia, por outro lado, é a guardiã da castidade. É freqüentemente comparada a uma muralha que nos protege a nós mesmos e aos outros contra os freqüentes ataques feitos contra a castidade.


COMO UMA PESSOA PRATICA A MODÉSTIA?
Há uma modéstia pessoal e uma modéstia social. A modéstia pessoal está relacionada principalmente com o estrito controle sobre seus próprios sentidos, especialmente os olhos, os quais são chamados principalmente de as janelas da alma.
Assim, uma pessoa modesta não permitirá desnecessariamente que seus olhos contemplem outra pessoa, uma pintura, uma história em quadros ou qualquer outro objeto que seja capaz de induzir pensamentos maus ou impuros em sua mente ou imaginação. Pois são coisas que, quando vistas deliberadamente, conduzem naturalmente a sensações impuras e ao desejo de atos desonestos. As mesmas regras são válidas para os ouvidos, os quais devem ser fechados para as canções imorais ou sugestivas, para as conversas sujas, etc. Do mesmo modo para os outros sentidos do tato, do paladar e do olfato.


A IMODÉSTIA PESSOAL É UM PECADO?
Claro que é um pecado, ao contrário do pensamento e do desejo de algumas pessoas que tentam inventar uma imodéstia isenta de pecado. A remoção da muralha da modéstia é a admissão do inimigo, da impureza. A fraqueza desta muralha o convida entrar. A imodéstia pessoal tem, por sua própria natureza, a capacidade de ser mortalmente pecaminosa. Ela pode ser um pecado venial se a imodéstia não for séria, não sendo, deste modo, um perigo sério à pureza de alguém no eu diz respeito aos seus pensamentos, desejos, palavras ou ações (Ver apêndice, no final deste livreto, sobre os pecados).

O QUE SE QUER DIZER COM MODÉSTIA SOCIAL?
Modéstia social pode ser definida como a virtude que procura proteger a castidade de outras pessoas, ou ao menos busca não colocá-las em risco. É sempre cuidadoso evitar qualquer coisas que busque gerar maus pensamentos e desejos em outros, ou a levá-los a ações pecaminosas.
A modéstia social exige adornos decentes na presença dos outros, e mesmo em casa; exige evitar toda familiaridade indevida, especialmente com pessoas do sexo oposto, olhares, palavras e gestos sugestivos, etc.; e, em geral, uma prudente reserva na aparência e no comportamento geral.


A IMODÉSTIA SOCIAL É, DO MESMO MODO, PECAMINOSA?
Novamente, há aqueles que tentam excusar de pecado se não há má intenção unida à imodéstia social. Assim, não vêem nada de errado usar um vestido imodesto quando somente se tem a intenção de andar na moda. Sim, a imodéstia social é errada, e pode ser seriamente pecaminosa. Pois, neste caso, outro mandamento está envolvido: a lei da caridade.
Sem levar em conta as intenções de alguém, existe a obrigação de consciência de evitar tentações desnecessárias aos outros por meio de tal imodéstia, seja pela vestimenta, seja por outro meio.


ELA É UM PECADO MORTAL OU VENIAL?
Se alguém tem a intenção de tentar a outros pela imodéstia, é sempre um pecado mortal, não importa quão pequena a imodéstia possa ser. Quando esta má intenção não se encontra presente, devem ser aplicadas as mesmas regras que são utilizadas para a imodéstia pessoal: uma imodéstia séria, que cause sérias tentações a alguém, constitui um pecado mortal; se não é séria, é pecado venial.

A imodéstia social é classificada entre os pecados de escândalo. Não somente um escândalo sério ou grave é pecado mortal, mas é algo muito grave. Isto se prova pelo terrível “ai” pronunciado por Jesus contra os escandalosos, e esta terrível condenação: “Melhor lhe fora que uma pedra de moinho lhe fosse posta ao pescoço e o lançassem ao mar” (S. Marcos IX, 42).

“Quantas jovens há que não vêem nenhuma má ação ao seguirem certos estilos vergonhosos, como se fossem ovelhas. Elas certamente corariam se pudessem adivinhar à impressão que causam e os sentimentos que produzem naqueles que as vêem. Não vêem elas o mal que resulta do excesso em certos exercícios de ginástica e nos esportes que não são desejáveis às moças de virtude? Que pecados são cometidos ou provocados por conversações que são muito livres, por apresentações imodestas, por leituras perigosas. Ah, quão relaxadas se tornaram as consciências, quão pagã a moral!” (Pio XII, 17 de julho de 1954).

continua (...)

4 comentários:

Joelma Benicio*´¯`*.¸¸.*´¯ disse...

A paz de Cristo,

Ufa, quanta informação, mas cheguei ao final da postagem que me prendeu.

Fui lendo o post e fazendo um paradoxo, como o mundo anda na imodéstia do olhar, do vestir, da ouvir, do dançar, do falar...sem nem perceber que esão pecando, (se é que se preocupam com o pecado). Cabe nos informarmos e levar uma vida segundo os ensinos de nosso Jesus e exemplo de Maria a modéstia por excelencia.
Fico aguardando a 2ª parte.

Deus te ilumine. Com carinho...

Joelma do blog SERVA DO SENHOR.

Flávio Villela (Zé) disse...

Muito bom o artigo, é especialmente interessante para os homens. Hoje vivemos, até mesmo no ambiente de trabalho, em momento de constante atentado contra a castidade,o mais comum é por palavras. Porém hoje vejo a internet como um dos maiores adversários, vivemos em uma época que olhar cenas de nudez ou de sexo é algo natural, há um conceito geral de que não ofende a ninguém("olhar não tira pedaço").

Giovana disse...

Salve Maria!

Sabe Joelma quando vc afirma que o mundo não sabe que é pecado a imodéstia, acabei por lembrar a primeira vez que coloquei um biquini para ir à piscina. Lembro-me muito bem (...) e eu deveria ter uns 9 anos e me senti muito mal, fiquei por muito tempo incomodada em ver que dava para perceber com o biquini toda a anatomia do meu corpinho de menina.

Sim, lembro que minha mãe até me chamava de complexada, mas não era complexo de nada, era pudor! E infelizmente fui perdendo aos poucos aquilo que Deus tinha me dado de lindo, O PUDOR!
Porque se a modéstia guarda a castidade; o pudor guarda a modéstia!

Por isto guardo o pudor do meu filho como um tesouro. O Davi tem muito pudor, e procuro com isto ir fazendo nascer nele a modéstia. Outro dia ele me perguntou:

"Mamãe, quando eu tiver uma namorada a senhora ensina ela a usar saia e quando for rezar colocar véu?" Eu respondi que sim! E perguntei vc gosta meu filho? - resposta - "Sim! A senhora fica parecendo uma santa!"

E eu tenho muito gosto do meu filho desejar a santidade; que começa sim do nosso interior, mas DEVE também transparecer no nosso exterior, incluindo em nossas vestes e posturas.


Fico muito feliz do texto ter chamado sua atenção.

Deus a abençoe.

Giovana.

Giovana disse...

Salve Maria!

Realmente caríssimo Flávio a idéia é esta, "não estou incomodando, nem prejudicando ninguém!", "olhar não tira pedaço!", "o que é bonito é para se mostrar!"

Mas estas máximas do demônio não podem fazer parte da vida do Católico, não do Católico de verdade!

E pior é querer levar toda a imodéstia para as coisas de Deus, fazer um relativismo e uma miscelânia das coisas do mundo (profanas) com as coisas de Deus (Sagradas); isto que devemos combater ferrenhamente!

Como diria um ditado chulo que serve para quem não gosta de entender o que está na cara:

CADA MACACO NO SEU GALHO!

A pessoa quer levar uma vida servindo seus desejos, concuspiciências, luxúrias tudo bem! Mas não venha querer dizer que isto dentro da Igreja é bom e Santo; que o Espírito Santo está conduzindo, que Jesus está cuidando!

É muita cara de pau, e é contra isto que sempre devemos lutar; porque todo mundo sabe muito bem dizer quando sua carne está sendo tentada (...), então não aceitemos desculpas! LUTEMOS CONTRA!


Obrigada por ter passado por aqui.

Postar um comentário

Salve Maria!

Que o Espírito Santo conduza suas palavras. E que Deus nos abençoe sempre.

***Caso o comentário seja contrário a fé Católica, contrário a Tradição Católica SERÁ DELETADO, NEM PERCA SEU TEMPO!
***Para maiores esclarecimentos: não sou adepta deste falso ecumenismo, não sou relativista, não sou sincretista, não tenho a mínima vontade de divulgar heresias; minha intenção não será outra a não ser combater tudo que cito acima!

Por fim, penso que esclarecidas as partes, que sejam bem vindos todos que vierem acrescentar algo mais neste pequeno sítio.