A Avareza.

sábado, 12 de março de 2011

 Uma pessoa avarenta tem dificuldade de abrir mão do que tem, mesmo
que receba algo em troca.

Desde o princípio Jesus alertou os discípulos para este perigo, já no Sermão da Montanha: “Ninguém pode servir a dois senhores, porque ou odiará a um e amará o outro, ou dedica-se a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e à riqueza” (Mt 6,24).


São Paulo classifica a avareza como idolatria: “Mortificai, pois, os vossos membros terrenos: fornicação, impureza, paixões, desejos maus, cupidez e a avareza, que é idolatria” (Cl 3,5)


“Porque sabei-o bem: nenhum dissoluto, ou impuro, ou avarento – verdadeiros idólatras! - terão herança no reino de Cristo e de Deus” (Ef 5,5).


A cobiça desmesurada de bens materiais, seja qual for o bem perecível em questão, é a característica do avarento. Quem não tem fome e sede de justiça terá fome e sede de ouro, e fará da fortuna a sua justiça. O avarento levado pela ausência de consolação e de alegria interiores, somando a inquietação pela aquisição e pela conservação dos bens materiais terá somente falta de paz, desassossego, apreensão de males, perturbação de espírito, desconfiança de Deus e de sua Providência e desconfiança dos homens que o circundam.

A sede de bens materiais somente cresce com a posse deles, e jamais o homem estará saciado pela riqueza. A riqueza é uma água que faz crescer sempre mais a sede por ela.

Para combater essa miséria e essa doença tão baixa da alma, Cristo nos mandou que pedíssemos: 'Perdoai as nossas dívidas, assim como nós perdoamos os nossos devedores'.


Pois é bem justo que quem não é avarento no que lhe é devido não seja também inquietado pelo que deve, mesmo porque Deus vem em socorro dos que lhe servem. O misericordioso com os seus devedores alcançará misericórdia para si. E quando pedimos a Deus o perdão de nossas dívidas, no mesmo grau em que estamos dispostos a perdoar o que se nos deve, o que pedimos e recebemos é a sabedoria para administrarmos nossos bens temporais.


Por esse dom do Espírito Santo sabemos e temos força para exercer de bom coração a misericórdia para com quem nos ofende, e do modo mais conveniente, e na hora oportuna, para lhes fazer bem em troca do mal que nos deram.


A *mortificação vem como grande auxílio ao combate contra a avareza e a época da Quaresma muito oportuna para este tipo de prática espiritual.


* É uma antiga prática cristã que consiste em realizar um sacrifício mental ou físico por amor a Deus com o objetivo de se unir à paixão e à cruz de Jesus Cristo e, portanto, como meio de participação na Redenção.

3 comentários:

Felipa disse...

Que Deus nos dê pobreza de espírito, para melhor aproveitarmos os dons que Ele nos concedeu.

Giovana disse...

Salve Maria!

Felipa seja sempre bem vinda.

Maria Luiza disse...

Você, Giovana, sabe comentar com precisão. Gostei imenso do seu comentário no post da caminhada! Perfeito. Todas as bênçãos e obrigada! Quanto aos pecados que vc está postanto, já tô no inferno com minha gula!!! Ai! Deus do Céu e da Terra, me ajuda!!!

Postar um comentário

Salve Maria!

Que o Espírito Santo conduza suas palavras. E que Deus nos abençoe sempre.

***Caso o comentário seja contrário a fé Católica, contrário a Tradição Católica SERÁ DELETADO, NEM PERCA SEU TEMPO!
***Para maiores esclarecimentos: não sou adepta deste falso ecumenismo, não sou relativista, não sou sincretista, não tenho a mínima vontade de divulgar heresias; minha intenção não será outra a não ser combater tudo que cito acima!

Por fim, penso que esclarecidas as partes, que sejam bem vindos todos que vierem acrescentar algo mais neste pequeno sítio.