Gnose (1° parte) - HERESIAS

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011


Gnosticismo


Salve Maria!


O assunto sobre GNOSTICISMO é extremamente longo.
Por se tratar de um assunto que levaria no mínimo anos para tentar sua conclusão, vou deixar alguns links  nos artigos para que os leitores possam pesquisar mais sobre o assunto, caso sintam interesse.

O gnosticismo remonta a Simão Mago do Atos dos Apóstolos, que desejava comprar dos Apóstolos o poder de fazer descer sobre os fiéis o Espírito Santo. O movimento surgiu a partir das filosofias pagãs anteriores ao Cristianismo, que floresciam na Babilônia, Egito, Síria e Grécia (Macedônia).

Surgiu com o tempo duas linhas de GNOSE:
- Uma na Síria, sem grandes nomes de expressão;
- Alexandria, já com nomes que nos permitem conhecer o sistema da Gnose, são eles: Valentim, Carpócrates e Márcio.

Valentim parece ter pregado suas idéias em Roma (135 a 160), por muitas vezes fora excomungado, por fim muda-se para Chipre onde funda uma seita bem florescente.

Carpócrates observava o problema da moral que havia entre os gnósticos; pois para eles a fonte de todo MAL seria a matéria, por isto pretendiam proibir o casamento e a procriação.

Márcio foi para Roma em 135-140 e foi recebido na Igreja, onde ficou por dez anos. Rompe com a Igreja e funda uma seita perniciosa que duraria muito tempo e sua doutrina era o que chamava de Antítese.

Nome derivado do termo grego gnosis (conhecimento), os gnósticos tornaram-se uma seita que defendia a posse de conhecimentos secretos que, segundo eles, tornava-os superiores aos cristãos comuns que não tinham o mesmo privilégio. Ao combinar filosofia pagã, alguns elementos da Astrologia e mistérios das religiões gregas com as doutrinas apostólicas do Cristianismo, o gnosticismo tornou-se uma forte influência na Igreja.

A premissa básica do gnosticismo é uma cosmovisão dualista. O Supremo Deus Pai emanava do mundo espiritual "bom". A partir dele, procediam sucessivos seres finitos (éons), quando um deles (Sofia) deu à luz a Demiurgo (deus criador), que criou o mundo material "mau", juntamente com todos os elementos orgânicos e inorgânicos que o constituem.

Interessante desta besteirada toda é que para os gnósticos,
 Demiurgo é o nosso Deus Todo Poderoso!

Cristãos gnósticos, como Valentim e Márcio, ensinavam que a salvação vem por meio de um desses éons, Cristo, que se esgueirou através dos poderes das trevas para transmitir o conhecimento secreto (gnosis) e libertar os espíritos da luz, cativos no mundo material terreno, para conduzi-los ao mundo espiritual mais elevado. Cristo, embora parecesse ser um homem, nunca assumiu um corpo físico; portanto, não foi sujeito às fraquezas e emoções humanas. Jesus não veio em carne!

Algumas evidências sugerem que uma forma incipiente de gnosticismo surgiu na era apostólica e foi o tema de várias epístolas do Novo testamento no combate a essas heresias (I João; epístolas pastorais). A maior polêmica contra os gnósticos apareceu, entretanto, no período patrístico, com os escritos apologéticos de Irineu (130-200), Tertuliano (160-225) e Hipólito (170-236). O Gnosticismo foi considerado um movimento herético pelos cristãos ortodoxos.

Para quem desejar entender mais um pouco indico este link:

Gnose: religião oculta da história.


Sobre o assunto de GNOSE continua (...)

2 comentários:

Um blog como Aquele disse...

Oi Gi !!! Como vc é culta !!! Gosto muito de ler os posts do blog. Às vezes não comento por falta de clareza de minhas ideias, opiniões e entendimentos. Pelo que pude perceber neste post: as pessoas "viajam", haja imaginação !!! Beijo grande, Andréa.

Giovana disse...

Salve Maria!

Siga estes artigos sobre Gnose, vc vai se surpreender em perceber esta praga dentro do Catolicismo.

Fiquemos com Deus!

Postar um comentário

Salve Maria!

Que o Espírito Santo conduza suas palavras. E que Deus nos abençoe sempre.

***Caso o comentário seja contrário a fé Católica, contrário a Tradição Católica SERÁ DELETADO, NEM PERCA SEU TEMPO!
***Para maiores esclarecimentos: não sou adepta deste falso ecumenismo, não sou relativista, não sou sincretista, não tenho a mínima vontade de divulgar heresias; minha intenção não será outra a não ser combater tudo que cito acima!

Por fim, penso que esclarecidas as partes, que sejam bem vindos todos que vierem acrescentar algo mais neste pequeno sítio.